2014,  Textos

Versículos

Sentimentos perdem suas faces.
Do cobre se desprendem
E nuas se divertem.

 

Pureza maleável, sapecagem difamável.
Não há ninguém que controle aquela mulher.

 

Que perdeu seus versículos,
soltou os cabelos e os espartilhos.
Ninguém segura aquela mulher,
Selvagem crina de cavalo,
o vento ao seu percalço,
estrada sem fim.

 

Olhou o destino torto,
contornou o morro e decidiu por fim,
que não há caminho certo,
futuro belo e algo pronto enfim.

 

E que de brincadeira vive a fada de jardim,
Ninfa dona da verdade,
desejo de liberdade e ponta de loucura.

 

Eu invejo o teu poder de cura,
de ver a vida e esperar de si,
Traçar o destino à sua maneira,
criar e escolher a opção.

 

Eu te invejo, por ser inconstante,
O seu traçado que pinta o seu destino,
não depende de nenhum palpite,
não se compromete com o que vão dizer.

 

Você se segue e decide o passo,
você é livre como pássaro,
No seu trajeto vai muda de ideias,
mas prossegue sempre sendo a mesma mulher.

 

E em variação da mente e corpo,
seu coração é o poder.

 

Isadora Mello (2014)

Créditos da Imagem: Bella Kotak 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *