2019,  Textos

Segundo

Vou falar por aqui sem assumir certeza nenhuma. Sem pretensão em estar certa ou me disfarçar como pessoa experiente que sabe do que fala. Hoje, não apenas admito minha ignorância, como ainda ouso dizer, tudo o que tentarei dizer aqui com alguma afirmação é algo que eu quero afirmar para mim mesma.

Autocomprovação. Profecias Autorrealizatórias.

Queria decifrar o que sinto. Porque sou intuitiva. Mas sobre você não sei. Eu não faço ideia. E quer saber de algo? Tá bom assim. Eu quero assim. Por e para você. Eu não quero saber.

Um lado meu tinha certeza que você não sumiria. Mas eu precisava pensar que assim o fosse para eu não me desapontar, e para até acontecer o contrário. Me convenci de que se ficasse pensando que era o fim, você voltaria mais depressa. Também quis manipular o julgamento dos meus amigos. Se eu demonstrasse minha vulnerabilidade e ao mesmo tempo, esperasse o pior, todos estariam tão prontos quanto eu. O sofrimento do inesperado dói mais. Eu me recuso a ser pega de surpresa nesse aspecto. Prefiro sofrer de antecedência, me expor, me diminuir, me acostumar em esperar o pior.  Não ser vista como coitadinha.

Mas porque também, meio que faz parecer que qualquer coisa que vier é lucro. É sucesso.

Descrevendo minha estratégia vejo quão deficiente e perigosa ela é. Fazer a média por baixo. Diminuir. Puxar todo mundo para baixo comigo. Coitados dos meus amigos.

Querendo então mediar por meio da catástrofe. Não creio que a gente vá se ver depois de hoje. Eu sinto que a gente não vai saber conversar, fazer isso caminhar de forma saudável. Eu quero. Mas eu não quero a parte de esperar, de sofrer por antecedência. Eu não quero os surtos, os ciúmes, essa vontade de ser importante. Isso de ser prioridade. Isso porque também tive uma prévia, e bem, eu não tô pronta. Não tô pronta ainda.

Me preocupar com você se tornou algo tão grandioso em apenas um único dia. Que você me fez cair em descaso com a pessoa que eu julgava amar. Que você me fez esquecer quem diariamente e continuamente estava comigo. Que eu tive hoje a oportunidade de ver alguém, que sempre julguei ter o interesse de ir atrás, ver, conversar, fazer ele me ver. Mas eu escolhi não ir, eu escolhi não me mostrar.

Você entende? Você já virou prioridade, já virou meu risco, minha fraqueza.

Você já vem nesse pacote completo de que eu nunca consigo ter o que eu quero.

E hoje, e pelos próximos dias. Eu quero você.

 

Por: Isadora Mello, 30 de Abril de 2019

Créditos da Imagem: Weheartit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *