2013,  Textos

Estrago

E agradeço ter sido tão doloroso, mas eu não lembrar da dor

E agradeço ter durado tanto tempo, mas parecido tão pouco

Agradeço não sentir nem remoroso ao lembrar

Mas o que machuca é errar de novo, cometendo os mesmo erros.

Podia ter doído mais, durado mais tempo e me trazido mais raiva de mim a mim mesma

Assim, eu aprenderia a lição de uma vez e não me arriscaria nas mesmas armadilhas

Saberia os macetes e não seria vítima das minhas próprias besteiras, principalmente repetir coisas até então superadas

E eu deveria evoluir, e melhorar, e me preparar, e ser minha aliada

ao saber o que me faz mal e o que eu devo (e principalmente o que eu devo deixar) de fazer

Mas eu me enrosco, o ciclo da cobra que morde o próprio rabo, os círculos, o infinito, o veneno, o engolir a si mesma,

A questão não é deixar de ser intensa, mas saber escolher a pessoa certa, ou que mereça,

Eu sei que existem pessoas que só aprendem com insistência, depois de um tempo aprendem a perceber e valorizar, mas no final,

é sempre mais pela perda.

Vão te enxergar quando você parar de olhar para os lados e começar a encontrar a si mesma.

E encontramos o que não esperamos

e nem sempre estamos aptos a receber e aceitar o que nos vêm, os que nos vêem.

Deixe que eles precisem de você, e que te enxerguem com mais amor,

E a gente aprende com os nosso erros, mas não haverá melhora se são somente em repetições idiotas

Claro que há o controle de certos acontecimentos e programação, mas o mais lindo é fruto do destino, daquele que não há toque, pretenção ou espera

que não há manipulação

E não há nada mais natural que ser sincera, verdadeira

Às vezes é bom pensar somente em você

Não no que você pode fazer por ele, no que ele olha, o que ele faz, pensa ou imagina, e deixar somente ser,

porque um dia, ao insistir nesses mesmos enganos,

vai doer, vai levar tempo e principalmente, vai ter ressentimento,

daquele que te faz perder esperanças

Se perder mais, no que você queria que fosse

e no que você desejaria não ter sido

que você desejaria, enfim

jamais ter sequer existido

 

Isadora Mello (2013)

Créditos da Imagem: Weheartit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *