2018,  Textos

Fria

Eu senti aquele mesmo frio que a pele do seu rosto sentiu, curioso isso de perceber o que você conseguiu experienciar apenas por meio da sua cor e dessa textura,

e notar como se equiparou ao que eu presenciei.

A partir da sua imagem, eu revivenciei o momento, com odores, com sensações, automaticamente fui teletransportada, e primeiramente não sabia para aonde,

eu sabia que estava indo para algum lugar, algum lugar ao qual eu já tivesse ido antes,

até eu poder reconhecer, de qual era aquele espaço pelo qual se tratava.

Sentir o frio na pele, lembrar do exato momento que caminhei em direção oposta ao vento que batia no meu rosto, e que eu sabia aonde eu estava.

Eu me reconheci na sua foto,

eu consegui visualizar mentalmente uma foto minha que eu estava ao menos parecida em como você se fotografou.

Acho que nunca cheguei a tirar essa foto, eu apenas me visualizei, consegui ver como sairia, mas não apertei o botão para registrar.

Deveria ter feito isso, assim essa comparação seria mais real, eu teria provas para você, para mim.

Mesmo nós duas sendo tão diferentes,

com nada em absoluto em comum.

Nunca.

Eu quis ser você agora,

consegui identificar tão prontamente a sua sorte, senti tanta vontade de poder viver tudo aquilo de novo,

senti inveja de você ter essa oportunidade que eu por agora estar aqui, não tenho mais.

Senti saudade.

Mesmo você não estando no mesmo lugar que eu exatamente estive.

Mesmo os ventos nem serem os mesmos.

Acho que apenas pelo fato de você estar longe,

em algum lugar,

em qualquer outro lugar.

Que não aqui.

 

 

Isadora Mello, 2018

Créditos da Imagem: Weheartit

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *